Renan Pivetta - Osteopatia Indaiatuba / Artigos  / Neuropatias do ombro

Neuropatias do ombro

Geralmente quando nos deparamos com um paciente cuja queixa é dor no ombro, temos a tendência de pensar nas próprias estruturas dessa articulação que podem ser a fonte de dor, como: tendão, bursa, superfície óssea, músculo, ligamento etc. Quem está mais ligado na clínica e diagnósticos diferencial, pensa em dores referidas de origem cervical ou até problemas viscerais. Porém muitas vezes esquecemos de pensar em dores neuropáticas, cujo ponto de conflito encontra-se em outro lugar que não a cervical, e o lugar que escolhemos dessa vez é o ombro. É sobre isso que vamos falar hoje!⁣

Ao redor do ombro existem alguns pontos que podem gerar conflito neural, e causar sofrimento e sintomas de neuropatias, seja por estiramento ou compressão. Um deles é relacionado ao nervo supraescapular, que pode ser estressado nas incisuras escapular e espinoglenoidal, respectivamente.⁣

Outro importante nervo que pode estar em sofrimento na região do ombro é o axilar. O seu ponto de conflito é o espaço quadrangular, formado medialmente pelo tendão do tríceps, lateralmente pelo úmero, sendo que o seu limite superior é a borda inferior do músculo redondo menor e o inferior a borda superior do redondo maior.⁣

Esses são os dois principais nervos envolvidos em processos de mecano-irritação ao redor do ombro. Os sintomas podem variar desde dores difusas pelo ombro, fadiga muscular precoce, fraqueza muscular e/ou parestesias sobre a região do ombro. Por fim, podemos ter neuropatias do nervo torácico longo e dorsal da escapula, cujo achado clínico durante o exame físico pode ser a escapular alada.⁣

O tratamento inicial de escolha é o conservador a base de fisioterapia e medicamentos. O tratamento osteopático pode ser um aliado muito importante, principalmente com técnicas direcionadas aos nervos, para melhorar a complacência e mobilidade neural, evitando muitas vezes que o quadro evolua para cirurgia de descompressão neural.⁣

Para finalizar gostaria de deixar claro o quanto é importante o conhecimento detalhado de anatomia para que possamos pensar e enxergar além do básico quando estamos em clínica.