Renan Pivetta - Osteopatia Indaiatuba / Artigos  / Deformidades cranianas em bebês

Deformidades cranianas em bebês

A famosa “cabecinha torta” que alguns bebês apresentam tem nome, ela pode ser chamada de plagiocefalia, que é a deformidade craniana apresentada pelos bebês que mais frequentemente ocorre, não custa lembrar que existem outras possibilidades de deformidades cranianas que receberão nomes diferentes. As possíveis causas podem estar relacionadas ao período gestacional, trabalho de parto e o período após o nascimento, podem existir fatores extrínsecos, intrínsecos ou ambos influenciando o surgimento da deformidade craniana.⁣

De forma geral os diferentes agentes etiológicos são de ordem mecânica. Seja em vida intrauterina, como o posicionamento ou compressão do crânio por órgãos vizinhos, durante o trabalho de parto a utilização de fórceps ou ventosas pode favorecer a deformidade, bem como os trabalhos de parto com fase ativa muito longa, após o nascimento a principal associação é o vício posicional – que pode existir pela presença de torcicolo – , ou seja, a tendência que o bebê apresenta de sempre manter sua cabeça na mesma posição, assim como o tempo prolongado em bebê conforto ou deitado de barriga para cima.⁣
Vale destacar que apesar de tudo, o curso natural dessa condição clínica é bastante favorável, ou seja, com o passar do tempo e com o crescimento e desenvolvimento do bebê a tendência é que essas deformidades se regulem.⁣

E qual é a visão osteopática da plagiocefalia?⁣

Muito bem, do ponto de vista osteopático, além de tudo isso que citamos anteriormente e outros fatores, a hipótese reside no fato de que compressões nos ossos e membranas cranianas podem impedir um desenvolvimento harmonioso do crescimento ósseo e gerar deformidade. Além disso a transição crânio-cervical relaciona-se com importantes nervos que controlam a musculatura do pescoço e nuca, quando hiperestumulados esses nervos podem gerar tensões musculares que fazem com que o bebê desenvolva o vício de posicionamento da cabecinha e consequentemente o achatamento posterior. Outros músculos que se relacionam com a cintura escapular também podem estar sofrendo o mesmo processo e ajudar nesse posicionamento inadequado.⁣

A base crânio-cervical é uma região muito nobre de nosso corpo, tem a passagem de diversos nervos e vasos sanguíneos. Por isso não é incomum que esses bebês apresentem concomitantemente a deformidade o torcicolo, como já falamos, problemas como refluxo ou cólicas, dificuldades para ajustar a pega no momento da amamentação e para deglutir, infecções de ouvido recorrentes, dificuldades como sono e irritabilidade, dentre vários outros achados. E como atua o tratamento osteopático?⁣

Por meio de palpações e manobras extremamente sutis procuramos detectar e auxiliar o corpo a resolver e se livrar dessas tensões anormais que podem estar causando esse quadro descrito, além disso é de suma importância a orientação adequada aos pais e cuidadores para que diariamente realizem posicionamentos específicos e exercícios para contribuir com a evolução do quadro. Vale lembrar que, por falarmos em crescimento ósseo e desenvolvimento, quanto mais cedo detectada a alteração e for iniciado o tratamento melhores são os prognósticos. E que dentro da prática osteopática existe um treinamento específico para atuar com a área pediátrica. Procure sempre se informar! 😊