Renan Pivetta - Osteopatia Indaiatuba / Artigos  / Abordagem osteopática da síndrome do intestino irritável

Abordagem osteopática da síndrome do intestino irritável

A síndrome do intestino irritável (SII) é definida por uma associação de dor e distensão abdominal e alterações do trânsito intestinal, oscilando tanto para diarreia e/ou constipação. É uma alteração crônica da função intestinal, associada a disfunções de outros sistemas como o musculoesquelético, por exemplo. Além disso é comum que esteja relacionada a problemas como depressão ou ansiedade. Levando isso em conta trata-se de uma patologia complexa em relação a fatores causais e tratamento.⁣

Nos últimos anos foram publicados alguns estudos nos quais foi aplicado o tratamento manipulativo osteopático em portadores da SII. Mas como é o raciocínio osteopático nesses casos?⁣

Primeiramente, por se tratar de uma patologia complexa com uma variedade de fatores que podem estar associados ao seu desenvolvimento, temos que pensar de maneira global sobre o paciente. Isso quer dizer que é fundamental conhecer o histórico do portador de SII, entender se possam existir traumas emocionais que resultaram em desequilíbrio corporal, como é a rotina alimentar, qual é o nível de estresse que apresentam não só no trabalho, mas, num contexto geral, qual é o nível de atividade física, dentre outros.⁣

De um ponto de vista do tratamento manipulativo osteopático (TMO), ou seja, o que é realizado por meio de técnicas de terapia manual, devemos entender a relação neurológica que o intestino apresenta. Para isso consideramos o sistema nervoso autônomo (SNA) simpático e parassimpático, e seus locais de origem no eixo axial, toracolombar e craniossacral, respectivamente. Além disso deve-se considerar a participação do sistema imunológico nesses casos, com destaque para técnicas voltadas ao sistema linfático. Outra possibilidade é o tratamento baseado em relações anatômicas tanto parietais quanto viscerais. E por fim, mas não menos importante, é possível atuar diretamente nos intestinos e seus sistemas de mesentérios e ligamentos.⁣

Os efeitos esperados são de melhoras da função visceral intestinal que pode estar prejudicada por essas regiões citadas anteriormente. Pouco falado ainda é o efeito que o TMO vai gerar no sistema nervoso central, mais especificamente em sítios relacionados à sensibilidade visceral do intestino, a qual atualmente é tema de grande estudo na SII, é possível que um dos grandes efeitos do TMO seja na modulação da sensibilidade intestinal e esteja associado à melhora das dores abdominais, sensações de inchaço etc. Outro efeito relatado nos estudos é a melhora do trânsito intestinal.⁣

É obvio que necessitamos de mais ensaios clínicos sobre o tema para que possamos ter ainda mais dados sobre o TMO na SII. Esse é um campo em expansão dentro do TMO e com perspectiva de crescimento. Sendo assim a Osteopatia pode ser uma terapia de suporte para portadores de SII que buscam melhorias dos sintomas sem medicamentos.